CIDADE MÉDIA

Você já ouviu falar em cidades médias? Conheça a origem do termo cidades médias e conheça as diferentes classificações sobre o tema. Entenda também os principais problemas das cidades médias. 

Oriundo do Francês, villes moyennes, o termo cidade média foi criado no final do século XIX e início do século XX, com intuito de investimento de políticas públicas através do processo de organização de descentralização territorial. 

Atualmente é de entendimento geral a existência de duas correntes de classificação das cidades médias, a primeira predominou até meados do século XX que entende como cidade média aquela com um tamanho territorial pré-estabelecido de acordo com cada país e a demanda econômica e os aspectos de infraestrutura.

Já a segunda classificação, a mais contemporânea, pensa a cidade média como polo de desenvolvimento regional, de modo a desafogar as demandas e as desigualdades sociais da metrópole.

Fonte: https://cdn.radiofrance.fr/s3/cruiserproduction/2020/12/ce05db78-962a-4386-8189-8a5def129075/1136_ville_moyenne_gettyimages-1215718581.jpg

Nesse sentido, a ONU passou a adotar um critério misto de classificação, entendendo que tanto o aspecto de polo regional como a dimensão populacional e territorial devem ser válidas na classificação. Mesmo assim, há muitas divergências sobre a classificação da cidade média, até mesmo pelo desenvolvimento diferenciado de cada cidade, o que leva a cada cidade ter uma realidade distinta.   

Abaixo segue uma tabela atualizada da classificação numérica das cidades médias em cada país.

No Brasil, o IBGE adota o aspecto quantitativo, com o intuito de subsidiar as políticas públicas do país, de mensurar as cidades médias a partir de 100 mil habitantes até 500 mil habitantes. Em termos de reflexão teórica o Brasil adota, a partir dos trabalhos mais recentes dos geógrafos Roberto Lobato Corrêa (2007) e Maria da Encarnação Beltrão Sposito (2010), a ideia de cidade médias é aquela com nível desenvolvimento urbano industrial e de crescimento, expansão econômica, com infraestrutura qualitativa, desenvolvendo assim uma rede de influência e uma polarização junto às cidades pequenas, para além das grandes metrópoles existentes. 

De acordo com IBGE, o crescimento econômico na primeira década do século XXI dessas cidades ultrapassou o PIB brasileiro, chegando a ter um crescimento mensurado de 153%.

Exemplos de Cidades Médias

  • Caruaru (PE)
  • Campina Grande (PB)
  • Anápolis (GO)
  • Imperatriz (MA)
  • Ponta Grossa (PR)
  • Uberaba (MG)
  • Presidente Prudente (SP)

Foto : Campina Grande a noite 2018.

Um outro ponto relevante é que atualmente as cidades pequenas e médias crescem economicamente e demograficamente mais rápido do que as metrópoles. 

Se por um lado, o seu crescimento desenfreado pode oferecer problemas urbanos que se assemelham com a das metrópoles nacionais atuais. Como por exemplo os típicos problemas como o crescimento das periferias no entorno da cidade, o crescente aumento da pobreza e violência, engarrafamento, diminuição de áreas verdes e a precarização da qualidade de vida das populações de baixa renda.

 Por outro lado, as cidades médias podem oferecer mais oportunidade de negócio, novas frentes profissionais e além de algumas cidades terem uma melhor qualidade de vida para a sua população em geral. 

REFERÊNCIAS TEÓRICAS

CÔRREA. Roberto Lobato . Construindo o conceito de cidade média. In: SPOSITO, M. E. B. Cidades médias: espaços em transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007. p. 23-33.

Lima, J. G., & da Silveira, R. L. L. (2017). Cidades Médias Brasileiras a Partir de um Novo Olhar Denominal e Conceitual: Cidades de Comando Regional. Desenvolvimento Em Questão, 16(42),8–41.https://doi.org/10.21527/2237-6453.2018.42.8-41.

PENA, Rodolfo F. Alves. “Cidades Médias”; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/cidades-medias.htm. Acesso em 31 de maio de 2022.

SOUZA, M. V. M. et al. Reflexões sobre o conceito de cidade média e a configuração das estruturas comerciais varejistas e de serviços: o caso do bairro Planalto em Uberlândia (MG). In: SIMPÓSIO NACIONAL DE GEOGRAFIA URBANA, 10., 2007, Florianópolis. Anais… Florianópolis: UFSC, 2007. p. 1-21.

SPOSITO, M. E. B. Novas Redes Urbanas: Cidades Médias e Pequenas no processo de globalização. Geografia, Rio Claro, v. 35, n.1, p. 51-62, Jan./Abr. 2010

VÍDEOS SOBRE O ASSUNTO

O que são Cidades Médias? | Geografia urbana – YouTube.

Cidades Médias – YouTube

Leia também

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s